CH-asset-153246450_l2r_lg

O mercado mudou. Compliance: uma prática necessária e dinâmica.

Sérgio Oliveira
05/05/2019
CH-asset-153246450_l2r_lg

Cada vez mais as empresas estão estruturando ou aprimorando sua área de “compliance”, que é responsável por trazer “ao radar” da Gestão todas as normas e regulamentos, internos e externos, que precisam ser monitorados e atendidos de forma satisfatória, evitando os prejuízos (financeiros, de imagem, de reputação, entre outros) do “não compliance”.

Para o cumprimento do objetivo do “estar em compliance” há muitas ferramentas, e uma delas é a realização de auditoria das demonstrações financeiras por profissionais independentes. A auditoria independente, também conhecida como auditoria externa é secular, lembrando que a sua expansão pelo mundo foi consequencia da própria revolução industrial. O principal objetivo era de garantir ao investidor que os números apresentados tinham bases reais e seriam confiáveis para os possíveis investimentos realizados.

Esse continua também sendo objetivo nos dias de hoje, porém muita coisa mudou no mercado, afetando diretamente os trabalhos de auditoria independente, como por exemplo, o avanço tecnológico, a complexidade tributária e a própria globalização, ampliando transações e as tornando mais estruturadas.

Dessa forma, a contratação de um trabalho de auditoria independente das demonstrações financeiras, sendo a empresa obrigada (por leis ou regulamentos) ou não a essa auditoria, traz outros benefícios à entidade auditada. Esses benefícios, de forma direta ou indireta, auxiliam a empresa a “estar em compliance”, pois nos trabalhos dessa natureza, além das práticas contábeis, são avaliadas, de acordo com o grau de risco envolvido e julgamento do auditor, as práticas tributárias e trabalhistas, os controles internos de diversas áreas, o ambiente de tecnologia da informação, entre outros. A própria presença constante do auditor externo dentro da organização ajuda na disseminação da cultura de boas práticas de governança – é nítida a melhora em controles internos e ou boas práticas, ano a ano, para empresas que contratam os serviços de auditoria independente.

É importante que as empresas, com ou sem área de “compliance” implementadas, atentem para diversas atividades que já fazem parte hoje do seu dia a dia e que ajudam substancialmente na busca do “estar em compliance”, mesmo que com outra roupagem. Como digo, o termo pode ser relativamente novo, mas cumprir regras, normas, regulamentos e legislação, sempre foi dever das empresas, e neste contexto, a auditoria externa sempre teve papel mais que importante nesse processo.

 

Sérgio Oliveira

Sérgio Oliveira -  Audit & Risk Partner (São Paulo/Campinas offices - Relacionamento Internacional)

Mais de 22 anos de experiência nas áreas de auditoria e riscos em inúmeros projetos desenvolvidos de auditoria, aquisições e fusões, SOX, riscos, controles internos e fraudes, em empresas nacionais e multinacionais de diversos segmentos. Sócio líder das práticas de auditoria e riscos da Crowe no Brasil. Registrado no Conselho de Contabilidade – CRC/SP, cadastro Nacional de Auditores Independentes - CNAI e registrado na Comissão de Valores Mobiliários - CVM.